Anamorfismo na Arte de Rua

Bem, aposto que pelo nome você pode não lembrar, mas tenho certeza de que se você ver uma imagem sua mente vai funcionar (brincadeira). Então observe:

Não. Não existe nenhuma garrafa ali (não diga)! Esse é apenas um dos muitos desenhos que são feitos por esses artistas de rua. Não se impressionou? Que tal essa:


Mas o que que faz essas pinturas tão… “diferentes”? Bem, a essa ilusão criada por vossas mentes, segundo as boas fontes WEBianas, denomina-se ANAMORFISMO. A palavra é utilizada, segundo o bom e velho Wikipédia, na geografia. Descreve o processo no qual minerais simples se tranformam em minerais compostos. Hum… Legal! Mas o que tem a ver com garrafas, cachoeiras e etc.? Bem, a palavra é utilizada em vários campos, mas a conotação básica é “uma condição do real, em um derivado (provavelmente abstrato) com características quimico-físicas do real (agora dano-se tudo de vez!). Mas basicamente é esse jogo do real com o abstrato (eu acho…). Babou no talento dos caras? Bem, eu também! Por isso, numa busca rápida na internet descobri como fazer tais maravilhas sem ao menos saber desenhar! Mentira? Não. É sério. Você só precisará de um software para trabalhar com imagens e uma impressora, e otras cozitas más. Bem, o vídeo se chama “Desvendando Julian Beever – método passo-a-passo“. Julian Beever um dos mais (senão o mais) famosos artistas de rua que utilizam o anamorfismo. Mas sem mais enchimento de saco, aí está o vídeo:

Outras obras de Julian Beever podem ser vistas aqui:

http://users.skynet.be/J.Beever/pave.htm