Mapa mental: nunca mais se perca!

Enquanto me perdia em milhares de ideias que apareciam e se iam, desesperado pela falta de organização das informações, achei uma ferramenta que tem me ajudado desde então: Mapas mentais. Mas afinal, o que são, e como usá-los?

O mapa mental é uma das ferramentas mais poderosas de aprendizado atuais. Tem sido usado nas mais diversas áreas de conhecimento técnico e científico, e muitos professores tem opitado por utilizá-los com o objetivo de aumentar a taxa de aprendizado dos alunos. Você já deve ter se deparado com a seguinte situação:
“Você está numa aula interessante (ou chata pra caramba!), e seu professor não usa nenhuma referência gráfica como anotações na lousa, apostila, livro ou outra coisa, e você simplesmente sabe que não vai conseguir lembrar de tudo na hora. O que você faz então? Tira uma folha do seu caderno, e começa a anotar, mas enquanto anota o que o professor falou enquanto você pega seu caderno, o professor entra em outro tópico, e você deixa aquela parte anterior para trás, tendo a certeza de que se lembrará depois, mas quando pára e presta atenção no que ele diz, você descobre que não era tão importante e tenta lembrar daquilo que você começara a anotar, e não se lembra mais”. – E se você podesse anotar tudo de vez? Não perderia nenhum detalhe sequer! E isso é possível com a utilização de Mapas mentais!
Os mapas mentais funcionam exatamente como a denominação explica: são mapas contendo ideias, e estão organizados de forma parecida com o funcionamento do cérebro (em ramificações). Tudo gira em um volta de um tópico central, e depois vai se ramificando através de sub-tópicos, contendo imagens, textos, o que for necessário para preservar o que se deseja. Vantagem: as regras gramaticais são postas de lado, dando mais velocidade e liberdade ao anotar. O que realmente importa é a ideia, sem nenhuma além a de ser inteligível porteriormente. As ideias ficam muito melhores associadas por pertencerem a um certo sub-tópico, tema pai. Não se tem tal liberdade ao se anotar algo em forma de prosa. Abordei aqui somente a aplicação dos mapas mentais na área de anotação, mas a ferramenta permite muito mais do que simplesmente anotar ideias. É usada em apresentações, composição de softwares (aliás, é muito útil ao se pensar um tudo o que software necessitará), organização empresarial e outras áreas. No começo do uso de mapas mentais você estranhará. É como se você fosse para um lugar onde estivesse livre de formalidades sociais, e simplesmente podesse fazer o que desejar. Mas essa liberdade logo passará de estranha a amiga, dando maiores horizontes ao seu cérebro.
Links:
Caso queira algo mais leve que o XMind, recomendo o Freemind, ambos foram feitos em Java e possuem versões para Windows, Linux e Mac, entre outros OSs.