Ubuntu Ocelot final lançado… o que mudou?

Ubuntu 11.10 lançado!

Após algumas intrigas por parte da comunidade de desenvolvimento do Ubuntu em relação a nova interface Unity, em que muitos concordavam não estar madura o suficiente para vir como padrão na versão criticadíssima Natty Narwhal (11.04), a versão final da distribuição em seu número 11.10, codinome Oneiric Ocelot, já está disponível para download. No link abaixo segue uma lista de modificações que conta com um vídeo:

Lista de recursos da nova versão do Ubuntu

Como já dito, a rejeição por parte de muitos ocorreu quando a Canonical decidiu manter a interface Unity como padrão, sendo que para esta é necessária uma placa com bons recursos gráficos, e além disso, as opções de personalização e controle do Unity eram muito inferiores ao da interface clássica. Depois de uma série de problemas reportados pelos usuários do Natty (como por exemplo congelamentos aleatórios de tela, “quebra” do ambiente gráfico e etc.), a comunidade se voltou quase que por completo para o desenvolvimento da nova versão que redimiria o Unity (creio que outros usuários do Natty concordem comigo, pois não via muitas atualizações significativas para o Natty nos mais diversos blogs de Ubuntu encontrados por aí).

Pois bem, seguidas uma série de betas por aí, as novas mudanças do Ubuntu foram implementadas. Porém, a Canonical se pronunciou um pouco antes da lançamento final do Ocelot, afirmando que a interface clássica não estaria mais disponível, sendo substituída pela versão mais simples do Unity, a 2D, excelente por sinal. Fora isso, parece que o retorno ao clássico não será mesmo possível, já que a versão do Gnome presente na distro é a 3, também muito criticada por conter uma série de mudanças, sendo que algumas não agradaram muito. É importante ressaltar que os recursos geralmente apresentados nas distros Fedora mais recentes são pertencentes ao Gnome Shell, diferentemente do Gnome3. Sendo assim, uma versão do ambiente clássico estará disponível, porém com suas mudanças devidas. A julgar pela aceitação das betas e agora da oficial, me parece muito proveitoso atualizar a distro, ainda mais com essa série de mudanças (finalmente o Thunderbird no lugar do Evolution!).

Já baixei ela, instalarei em breve, e tão logo postarei aqui meu review, mas uma coisa que me deixa pensativo é a seguinte: essa série de mudanças irreversíveis, não estaria indo de encontro com o princípio da liberdade de escolher dos usuários? O Ubuntu está caminhando para continuar a ser livre, ou não? ==> (OLHE ISSO… seria um princípio de Microsoftismo)?